sábado, 29 de junho de 2013

Família eh família ah ... FAMÍLIA

Minha família Buscapé.
Não importa quem somos ou como e onde vivemos, FAMÍLIA é tudo igual (só muda de tamanho e sobrenome!!!).  Acordei meio nostálgica hoje, e quis prestar uma pequena homenagem as pessoas que independente de qualquer coisa sempre estão comigo, nas minhas TPM’s, nas batalhas diárias, conquistas, farras, crises de insanidade .... Enfim, por saber que apesar dos meus inúmeros defeitos tenho uma “equipe nota 1000”.
Poldo, Dinho, Mari e Eu. Minha formatura.
 Família não é formada apenas por laços de sangue, mas por fatores que vão além de parentesco, e é algo muito importante para o desenvolvimento de qualquer pessoa, pois encoraja e dá ânimo para o enfrentamento de novos desafios. Para uma pessoa com deficiência essa afirmação não é diferente, já que os obstáculos necessitam de um gás ainda maior, precisamos de “uma mãozinha a mais” para superá-los.  Durante meu processo de aceitação da distrofia, o apoio (mesmo que silencioso) que recebi foi muito importante, pois não me deixou me enxergar diferente dos outros. Fui cercada de muito carinho por todos, até por pessoas que não faziam parte do meu circulo de amizade, não me tratavam de maneira diferente.

Carnaval com os primos. Araújos
Dentro de casa a mudança acontecia naturalmente, meus pais iam adaptando nosso lazer e continuei frequentando os mesmos lugares, mas o cuidado e atenção aos detalhes no acesso eram visíveis. Todos os finais de semana passávamos o dia e a noite íamos caminhar e tomar sorvete também na praia. Acampávamos todos os verões, era simplesmente mágico. Meus primos, tios e amigos nunca me excluíam de nada, sempre planejavam brincadeiras onde eu pudesse participar (e me ajudavam quando eu não os acompanhava). Meus irmãos mais novos também não mudaram muito, o Poldo (o mais novo e também portador da DMC) continuava com as peraltices dele, sempre chegava em casa com um corte novo na cabeça kkkkkkkkkkk mães reclamando na janela da sala porque ele havia jogado pedra em sua filha... O Dinho, meu irmão do meio, era quieto só queria saber de desenhar e jogar vídeo game. Quando meu pai faleceu, criamos um elo ainda mais forte em nossa casa. Nós tornamos uma corrente mesmo, tivemos que aprender a nos virar sozinho e a encarar os desafios e responsabilidades da família. Meu pai era muito família, sempre estávamos juntos, todas as férias ou finais de semana reuníamos todos os Araújo’s e com a “partida” dele, ficamos meio que perdidos. Eu e os meus irmãos éramos muito próximos, sempre tivemos o mesmo grupo de amigos e todos os eventos (baladas, cinemas, rodas de violão, partidas de queimado ou dominó kkkkkkkk) estávamos juntos. O Dinho sempre fez questão de nos levar nas viagens de fim de semana dele, e o mais legal é que até as namoradas dele também entravam na onda e nos dava uma ajudinha. Na hora do banho ou até mesmo quando íamos dar umas voltas pela praça, era uma farra extra.

Dani, Quel, Karlinha, Nanda e Eu. Graduação
 Estudei por muitos anos no mesmo colégio, um total de 11 anos, e lá eles também acompanharam a minha evolução. Tanto os professores quanto os demais funcionários me tratavam com muito cuidado e carinho, e isso se repetiu durante minha graduação e pós graduação. Com a rotina e a correria do dia a dia, os contatos e a distância fez com que o convívio fosse diminuído, mas o sentimento permanece e vem à tona a cada reencontro. Seja por telefone, sms ou conversas no Facebook, as histórias e aventuras vividas são relembradas e o carinho reaparece. Amigos de colégio, faculdade, pagode, fisioterapia, blog .... são os tesouros que conquistei e sou muito grata. Costumo dizer que Deus me deu a opção de aumentar ainda mais minha família, e me presenteou com amigos que mesmo virtualmente estão presentes na minha vida.
Aninha, Quel, Iri, Mari e Eu. Pós Graduação

Este post de hoje foi uma forma de homenagear as pessoas que sempre estão do nosso lado, e que mesmo sem saber nos dão força e alegram o nosso dia a dia. Sei que algumas pessoas não puderam gozar como gostariam de suas famílias, mas tenho certeza de que apesar de pequenos gestos eles se fizeram presentes nos momentos mais importantes da sua vida. O meu muito obrigada a todos que a cada dia me tornam o ser humano que sou e me ajudam a evoluir e seguir superando os desafios no caminho!!!


Família Carneiro

Família Araújo


A mais nova integrante da família: Maria Fernanda!


 Beijos e inté mais
=)



5 comentários:

  1. Que Lindo minha amiga, mais uma vez vc me fez chorar, te amo tanto mais tanto mais tanto que vc não tem noção!!!beijos no seu coração da sua amiga mais doida do universo e a mais gostosa nunca esqueça disso rsrsrs!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuuuuuuuito obrigada Merinha!Beijossss <3

      Excluir
  2. Estou super emocionada com a história, e concordo com vc, em número e grau. Linda amiga. E saber que faço parte dela é ainda mais incrível. Amooo vc! Beijooos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenha dúvidas disso amiga! Você e a Lú são partes importantes demais na minha vida!

      Excluir
  3. amiga , vc não esta visualizando ???

    ResponderExcluir